1. Encarnados defrontam o principal favorito da prova. Primeira mão é na Luz, a 24 de abril. A segunda mão é em Turim, a 1 de maio, no estádio que será também o palco da final.
    Nota positiva do sorteio da Liga Europa desta sexta-feira: se chegar à final de Turim, dia 14 de maio, o Benfica não terá de jogar contra a equipa da casa.
    Nota menos agradável: para lá chegar tem de ultrapassar a Juventus, precisamente a equipa italiana que tenta jogar a final deste ano no seu estádio. E que é, refira-se, considerada pelas principais casas de aposta como a favorita à consquista do troféu.
    Outro aspeto teoricamente menos favorável para os encarnados neste sorteio é que a primeira mão vai ser no estádio da Luz, dia 24 de abril, e a segunda mão a 1 de maio, em Turim.
    Na primeira reação oficial, Nuno Gomes diz que “o Benfica vai tentar dar o seu melhor, como sempre”. “O mais importante é estar aqui, não importa com quem se joga”, referiu o novo diretor das relações internacionais do clube da Luz, resumindo que “o objetivo é estar na final”.
    O representante da Juventus, o ex-internacional checo Pavel Nedved, referiu que “o Benfica será muito difícil, é uma equipa muito forte”. O checo admite que “a Juve tem mais motivação por a final ser em Turim, mas é uma meia-final muito complicada”.
    Na outra meia-final há duelo espanhol entre Sevilha (que eliminou o FC Porto) e Valência, o que significa automaticamente uma equipa espanhola na final.
    O Benfica, recorde-se, está pela terceira vez nas últimas quatro épocas nas meias-finais desta prova. Em 2010/11, foi eliminado pelo Sp. Braga. Na temporada passada (2012/13) chegou à final, que perdeu para o Chelsea. Desta vez volta às meias-finais, pela segunda época consecutiva, o que não conseguia em provas europeias desde 1963.
    No total, esta é a 14.ª presença do Benfica e meias-finais de competições europeias.Em 13 presenças anteriores, a formação encarnada seguiu em frente em nove ocasiões e só caiu quatro vezes.

     





  2. O Benfica ficou com a “fava” no sorteio das meias-finais da Liga Europa. Históricos Buffon e Pirlo são figuras de uma Juventus que tem um meio-campo de luxo, mais Tévez e Llorente no ataque
    O clube português, finalista vencido no ano passado, tentará impedir que o conjunto de Turim dispute em casa a final da prova, marcada para o seu estádio, a 14 de maio, mas a tarefa de eliminar a “velha senhora” não é desconhecida dos “encarnados”.
    Na época 1967/1968, sob a “batuta” de Eusébio, o Benfica eliminou a Juventus nas meias-finais da Liga dos Campeões, falhando depois a conquista do terceiro título europeu, ao perder no jogo decisivo, em Wembley, com o Manchester United, por 4-1, após prolongamento.
    Na primeira “mão”, a 09 de maio de 1968, José Torres e Eusébio marcaram na segunda parte os golos da vitória benfiquista, por 2-0, que teve reedição uma semana mais tarde, em Turim, graças a novo remate certeiro do “pantera negra”.
    Os transalpinos tiveram oportunidade de se desforrar 25 anos mais tarde, afastando o Benfica nos quartos de final da Taça UEFA de 1992/1993, na última vez que as duas equipas se encontraram nas provas europeias.
    O Benfica voltou a entrar bem na eliminatória, ao vencer por 2-1 em Lisboa graças a um “bis” de Vítor Paneira, tendo Gianluca Vialli marcado o golo da Juventus, que depois se impôs em Turim por 3-0, com tentos do alemão Jurgen Kohler, Dino Baggio e Fabrizio Ravanelli.
    O confronto entre portugueses e italianos coloca frente-a-frente os líderes destacados dos respetivos campeonatos, enquanto o outro embate opõe o Sevilha ao Valência, garantindo a presença de uma equipa espanhola em Turim.
    Tal como o Benfica, a Juventus começou a época na Liga dos Campeões, mas foi surpreendida pelo Galatasaray, terminando atrás dos turcos num grupo dominado de forma incontestada pelo Real Madrid, liderado pelo avançado português Cristiano Ronaldo.
    O percurso do bicampeão italiano tem sido bem melhor na Liga Europa, na qual deixou pelo caminho, sucessivamente, os turcos do Trabzonspor, os compatriotas da Fiorentina e os franceses do Lyon, tendo vencido cinco jogos e empatado apenas um.
    A equipa de Turim, treinada pelo antigo internacional Antonio Conte, possui uma equipa composta por jogadores experientes, começando logo pelo “histórico” guarda-redes Gianluigi Buffon, que está no clube há 13 anos, atrás de uma defesa muito sólida, liderada por Giorgio Chiellini.
    Grande parte do jogo ofensivo passa pelo “estratego” Andrea Pirlo, que, aos 34 anos, continua a ser o “motor” do meio campo, coadjuvado pelo francês Paul Pogba e o chileno Arturo Vidal, enquanto o ataque vive do talento do argentino Carlos Tévez e da eficácia do espanhol Fernando Llorente.
    Com 29 títulos conquistados, o domínio da “Juve” em Itália não é um fenómeno recente e os transalpinos também têm deixado a sua marca na Europa, como bem sabe o FC Porto, que perdeu a final da Taça das Taças de 1983/1984, ao perder por 2-1 em Basileia.
    Além daquele sucesso, a Juventus, tal como o Benfica, já conquistou dois títulos europeus (1985 e 1996), três na Taça UEFA/Liga Europa (1977, 1990 e 1993), duas supertaças europeias (1984 e 1996) e duas taças intercontinentais (1985 e 1996).
    Um obstáculo difícil no caminho da segunda final consecutiva do Benfica, que perdeu a última por 2-1 frente ao Chelsea, em Amesterdão, numa fase final de época desastrosa, na qual cedeu também o título nacional para o FC Porto e perdeu a final da Taça de Portugal perante o Vitória de Guimarães.
    O jogo primeira mão entre o Benfica e a Juventus realiza-se a 24 de abril, no Estádio da Luz, em Lisboa, enquanto a segunda partida está agendada para 01 de maio, em Turim.

     





  3. Três penáltis, após uma expulsão para o Real Madrid, permitiram ao Benfica alcançar uma expressiva goleada por 4-0 e qualificar-se para a final da Liga dos Campeões de sub-19.
    A equipa de sub-19 do Benfica está na final da UEFA Youth League, formato da Liga dos Campeões dedicado ao escalão de juniores, no primeiro ano da competição, após ter goleado o Real Madrid, em Espanha, por 4-0, nas meias-finais.
    A formação de João Tralhão, que já tinha eliminado o Manchester City em Inglaterra (as meias-finais são disputadas a uma mão), impôs-se com categoria ao favorito Real Madrid, tendo deixado a partida praticamente resolvida nos primeiros 15 minutos.
    Nuno Santos, avançado de 19 anos, esteve em destaque, ele que assistiu Hildeberto Pereira aos nove minutos e arrancou o penálti (que o próprio converteu) que ditou a expulsão de Jaime Sánchez, aos 14’.
    Aos 16’, Nuno Santos dispôs de nova grande penalidade, que desta vez só converteu na recarga. Com uma vantagem confortável, o Benfica voltou a marcar de penálti aos 56’: Rochicha marcou à Panenka e ainda pediu desculpa ao guarda-redes.
    A sensacional campanha do Benfica, invicto na fase de grupos - da qual a outra equipa em prova, o FC Porto, não conseguiu passar -, conhecerá o último entrave a 14 de abril, na final de Nyon: Schalke 04 ou Barcelona, um deles será o adversário das águias. A outra meia-final está marcada para as 15.30 desta sexta-feira.

     





  4. Do sonho de ir a Turim ao pesadelo de Sevilha, o FC Porto foi completamente “atropelado” e está fora da Liga Europa, não tendo revelado competência para ir às “meias”.
    “Jogámos mal. Merecemos a derrota. Foi uma vergonha o que fizemos.” As palavras são de Ricardo Quaresma e resumem, na perfeição, o “adeus” do FC Porto à Liga Europa, fruto de uma derrota tão humilhante quanto merecia, por 4-1, no reduto do Sevilha. Sem Fernando e Jackson Martínez, castigados, o FC Porto exibiu-se como uma equipa banalíssima, que foi completamente “engolida” em 30 minutos no Sánchez Pizjuán e não fez por merecer outro resultado. Os dragões procuravam a proeza de ir a Turim, mas só mostraram que chegar aos “quartos” já foi, por si só, uma proeza.
    Danilo, Diego Reyes, Mangala e Alex Sandro formam um quarteto defensivo que custou mais de 37 milhões de euros (mais do triplo do que o FC Porto ganhou em prémios da UEFA em 2013/14: 11,6 milhões), mas que se exibiu com preocupante amadorismo (o francês foi o melhor - ou o menos mau). Fabiano, que guiou os portistas ao apuramento em Nápoles, não podia fazer mais “milagres” e aos 30’ já tinha ido buscar três vezes a bola ao fundo das redes: um penálti de Rakitic, muito contestado por Luís Castro, um golo de Vitolo após uma das muitas falhas na saída de bola do FC Porto e outro de Bacca.
    A única surpresa foi que o resultado já nem estava a ser surpreendente. O Sevilha não tem melhores jogadores, mas tem melhor equipa, melhor organização e maior sentido coletivo. As respostas de Luís Castro para tentar inverter o rumo dos acontecimentos - Ricardo, Quintero e Kelvin, este em estreia na Europa - nada conseguiram acrescentar, numa noite de desastrosas exibições de Defour, Herrera e Varela e na qual Ghilas mal chegou a tocar na bola. Na hora de tentar os “chuveirinhos”, não havia ponta-de-lança alternativo - Luís Castro veio da equipa B e “esqueceu” Gonçalo Paciência.
    Ricardo Quaresma foi o único a tentar rematar contra a maré. Quase sempre em lance individual, é certo, mas cercado por tamanho caos tático e por uma equipa sem qualquer fio de jogo pouco mais havia a fazer. O extremo tentou uma, duas, três vezes, mas Beto, o guarda-redes que o FC Porto dispensou a custo zero para o Sp. Braga em 2012, manteve sempre a confortável vantagem do Sevilha. O Sevilha foi reduzido a dez aos 54’, por expulsão de Coke, arrancada por Quaresma, mas os dragões não souberam capitalizar a superioridade numérica. Os sevilhanos, que sabem o que fazer com e sem bola, ainda ampliaram a vantagem.
    O golo do luso-francês Kévin Gameiro (79’) só não ditou a maior derrota de sempre contra equipa espanholas (4-0 frente ao Real Madrid, em 1997) porque Ricardo Quaresma, aos 90+2’, assinou uma verdadeira obra de arte, mas que chegou demasiado tarde. Luís Castro, que foi expulso por protestos, teceu duras críticas à arbitragem do italiano Gianluca Rocchi - que abusou das decisões “caseiras”-, mas o FC Porto nada fez para se juntar a Benfica, Juventus e Valência nas meias-finais. Para a época 2013/14, sobram as meias-finais da Taça de Portugal e Taça da Liga, frente ao Benfica (além da luta com o Estoril pelo 3.º lugar na I Liga), com a garantia de que a jogar assim nada de bom haverá para os (ainda) tricampeões nacionais.
    Filme do jogo:
    90+5’ Final do jogo! O FC Porto está fora da Liga Europa, deixando o Benfica sozinho no “mapa europeu”. O sorteio das meias-finais está marcado para sexta-feira.
    90+4’ Kelvin remata, sem perigo. Nada trouxe ao jogo, no dia da sua estreia europeia.
    90+2’ GOLO DO FC PORTO! QUARESMA FAZ O 4-1! Um grande golo do extremo portista, o único a remar contra a maré, mas que não serve nem para atenuar o fracasso em Sevilha.
    90’ Quatro minutos de compensação…
    89’ Remate de Kévin Gameiro, que sofre um desvio e sai por cima.
    87’ Remate de Defour, para a estatística.
    86’ Substituição no Sevilha. Saiu Rakitic e entrou Trochowski.
    84’ Fazio falha o 5-0 de cabeça, na sequência de um livre direto.
    83’ Os cerca de 1500 adeptos portistas, em Sevilha, não mereciam assistir a tamanha humilhação de que a sua equipa está a ser vítima, depois de terem apoiado insistentemente a equipa mesmo após o 3-0.
    81’ O Sevilha rematou oito vezes, sete à baliza: quatro golos. O FC Porto rematou 16, quatro à baliza: zero.
    78’ GOLO DO SEVILHA! KÉVIN GAMEIRO FAZ O 4-0! Reduzidos a dez unidades, os sevilhanos ainda consegue ampliar a vantagem: Fabiano desviou o cruzamento de Vitolo e a bola sobrou para o luso-francês, que empurrou para o fundo das redes.
    78’ Ghilas é pouco para o FC Porto tentar chegar ao golo, mas não há outro ponta-de-lança. Não há gente na área para o “chuveirinho”, nem há capacidade para chegar ao golo em ataque organizado. O FC Porto não tem capacidade para ir às meias-finais da Liga Europa.
    75’ O FC Porto não consegue marcar. Os adeptos sevilhanos já festejam o acesso às meias-finais da Liga Europa.
    75’ Cartão amarelo para Ricardo, por travar um ataque do Sevilha.
    74’ Remate de Carriço, para Fabiano segurar.
    73’ O Sevilha está a conseguir anular todas as investidas do FC Porto, que perdeu intensidade, sentido de jogo e orientação coletiva desde a última alteração. Luís Castro assiste a tudo, na bancada, com ar de resignação.
    70’ Remate de Herrera, sem perigo. O FC Porto não coloca bolas na grande área e não consegue invadir a grande área adversária em ataque organizado. Assim, será impossível chegar ao golo.
    70’ Substituição no Sevilha. Saiu Bacca e entrou Kévin Gameiro.
    69’ Remate de Quintero, sem perigo. O FC Porto não consegue “penetrar” na defesa sevilhana e o tempo escasseia…
    66’ Cartão amarelo para Bacca, por simulação.
    66’ O FC Porto não tem referência na grande área para os “chuveirinhos”. Ghilas joga solto e não é propriamente um homem de área.
    65’ Quase não há espaço para o FC Porto se aproximar da grande área. O Sevilha defende com todos e está muito coeso na retaguarda.
    64’ Substituição no FC Porto. Saiu Danilo e entrou Kelvin. Derradeira tentativa dos dragões em chegar aos golos.
    62’ Carriço cai no relvado e pede assistência médica. Não será uma surpresa se o Sevilha começar a jogar com o relógio.
    61’ Quaresma falha! Remate do extremo na grande área, a ver a bola passar ligeiramente ao lado do alvo.
    59’ Quaresma cruza, Beto segura. FC Porto já rematou 12 vezes, mas apenas quatro à baliza e todas para defesa do guarda-redes português.
    58’ Josué, Kelvin ou Licá: só um deles poderá entrar no FC Porto.
    57’ Agora sim, só dá FC Porto na partida. Mas os dragões precisam de marcar para capitalizar esta fase, caso contrário de nada servirá a superioridade numérica.
    56’ Substituição no Sevilha. Saiu Reyes e entrou Diogo Figueiras.
    55’ Beto evita o golo! Remate colocado de Herrera, ao qual o guarda-redes português respondeu com uma extraordinária defesa.
    54’ Sevilha reduzido a dez! Coke entrou a matar sobre Ricardo Quaresma e é expulso, com o segundo cartão amarelo.
    54’ Momento de pressão do FC Porto, à procura de um golo que possa relançar a discussão pelo apuramento.
    52’ Quaresma acerta na trave! Com uma extraordinária defesa, Beto desvia a bola para a trave, após livre de Quaresma.
    50’ Luís Castro é expulso. O árbitro Gianluca Rocchi dá ordem de expulsão ao técnico do FC Porto, por alegados protestos. Não tem sido fácil, porém, manter a serenidade com o trabalho da equipa de arbitragem, até ver a prejudicar a equipa portuguesa - que, diga-se, não tem feito por merecer mais - em vários lances.
    48’ FC Porto perto do golo. Ricardo cruzou e Herrera falha o cabeceamento por pouco; Ghilas ainda tentou a bicicleta, mas errou o alvo.
    46’ Início da segunda parte! Bola para o Sevilha.
    - Dupla substituição no FC Porto. Saíram Carlos Eduardo e Varela, dois desastres na primeira parte, e entraram Ricardo e Juan Quintero.
    45+2’ Intervalo em Sevilha. 45 minutos de pesadelo para o FC Porto, que só com um “milagre” na segunda parte evitará a eliminação da Liga Europa.
    45+1’ Livre de Quaresma, sem perigo para Beto.
    45’ Dois minutos de compensação…
    43’ Quaresma tenta o remate, mas erra o alvo.
    43’ O Sevilha baixou o ritmo e tenta levar o 3-0 para o intervalo. Um golo pode mudar o rumo da eliminatória, sendo que o FC Porto precisa de, pelo menos, dois.
    42’ Remate de Defour, em lance estudado, a sair ao lado do alvo.
    41’ FC Porto carrega à procura de um golo que possa mudar as perspetivas da eliminatória para a segunda parte, mais com o coração do que seguindo um plano de jogo - que neste momento parece não existir.
    39’ Herrera desperdiça! O médio mexicano ganha a bola na grande área e tenta o remate, mas atira ligeiramente por cima do alvo.
    38’ Quaresma, quase sempre em lance individual, tenta “empurrar” a equipa para a frente. Ghilas mal toca na bola, Varela tem sido uma nulidade e Carlos Eduardo nem se vê.
    36’ Nada sai bem ao FC Porto. Desnorte total na equipa portista e nem dos tempos de Paulo Fonseca há memória de 30 minutos assim.
    34’ O FC Porto só se apuraria se fizesse, pelo menos, dois golos. Como as coisas estão a correr, mais facilmente o Sevilha faz o 4-0.
    32’ Cartão amarelo para Coke, pelo envolvimento com Quaresma.
    32’ Cartão amarelo para Quaresma, por conduta antidesportiva.
    31’ Cartão amarelo para Varela, por falta sobre Fernando Navarro. Não pareceu haver falta.
    30’ GOLO DO SEVILHA! CARLOS BACCA FAZ O 3-0! E vão três e, por este andar, o Sevilha não vai ficar por aqui. Mais uma falha de Reyes, a defesa do FC Porto a ver jogar e Bacca a bater Fabiano com um remate rasteiro.
    29’ Cartão amarelo para Mangala, por suposta falta sobre Mbia. Não pareceu haver infração.
    28’ O Sevilha não tem melhores jogadores, mas está a provar, até ao momento, ter melhor equipa do que o FC Porto. Dragões em muitas dificuldades e “obrigados” a marcar, algo que está difícil.
    26’ GOLO DO SEVILHA! VITOLO FAZ O 2-0! Mais uma vez, a defesa do FC Porto mete água: Fabiano tentou o lançamento longo para Danilo, que perdeu a bola e permitiu o ataque rápido do Sevilla; Mangala não conseguiu impedir o golo de Vitolo.
    25’ Já três pontapés de canto de Quaresma, um para defesa de Beto e os outros dois para a outra bandeirola de canto. O extremo aposta nos remates fortes e tensos.
    24’ Beto evita o golo. Quaresma assina o primeiro remate do FC Porto à baliza e vê Beto sacudir o perigo.
    21’ Tal como em Frankfurt e Nápoles, o FC Porto está em muitas dificuldades e em desvantagem na eliminatória. Nas duas rondas anteriores, Ghilas salvou. Para já, o argelino está “escondido” e o FC Porto não o consegue encontrar.
    19’ Quaresma consegue o primeiro drible e cruza de trivela, mas Fazio cede canto.
    18’ Fazio, na sequência de um canto, falha o cabeceamento por pouco; a bola sobrou para Navarro, que viu Fabiano segurar já perto da linha de baliza.
    17’ Fabiano evita o 2-0! Remate forte e colocado de Reyes, mas o guarda-redes brasileiro desviou para pontapé de canto, com uma grande intervenção.
    16’ Carlos Eduardo tentava o remate, mas atirou contra Ghilas e a bola foi para a bandeirola de canto.
    15’ Cruzamento largo de Danilo, para as mãos de Beto. O FC Porto ainda não procurou rematar.
    14’ FC Porto muito mal na transição defensiva, sempre com Quaresma e Carlos Eduardo a recuarem a passo. O Sevilha vai aproveitando a descompensação no meio-campo.
    12’ Sevilha perto do 2-0. Remate cruzado de Coke, ao qual Vitolo não chegou por pouco, ao segundo poste. FC Porto em muitas dificuldades nos minutos iniciais.
    10’ Cumpridos dez minutos, o Sevilha “empurra” o FC Porto para o seu meio-campo e a falta de Fernando sente-se em todo o lado.
    8’ Saída rápida de Fabiano, a impedir que Rakitic ficasse isolado. FC Porto mal na saída de bola, com o Sevilha a aproveitar.
    5’ GOLO DO SEVILHA! IVAN RAKITIC FAZ O 1-0! Bola para um lado, Fabiano para o outro e eliminatória empatada.
    4’ Penálti para o Sevilha! Danilo derruba Bacca na grande área, num lance confuso e que foi assinalado pelo auxiliar. O lance foi precedido de fora-de-jogo, não assinalado.
    4’ Fabiano salva! Falha tremenda de Diego Reyes, que permitiu que Bacca ficasse isolado, mas Fabiano impediu um golo que parecia certo.
    3’ FC Porto já com duas transições rápidas, contrariando o habitual modelo de posse. Luís Castro sabe que um golo fará maravilhas à eliminatória.
    2’ Grande arrancada de Herrera, a correr 50 metros com bola até tentar o último passe, mas na sequência do lance a bola sobrou para Varela, que perdeu a bola pela linha de fundo.
    2’ A polícia já fez uma carga sobre os adeptos do FC Porto, cerca de 1500 em Sevilha. Um portista ficou ferido.
    1’ Gianluca Rocchi apita para o início do jogo! Bola para o FC Porto.
    SEVILHA: Beto; Coke, Nico Pareja, Federico Fazio, Fernando Navarro; Daniel Carriço, Stéphane Mbia; Jose Antonio Reyes, Ivan Rakitic, Vitolo; Carlos Bacca. Suplentes: Javi Varas, Diogo Figueiras, Iborra, Trochowski, Marko Marin, Jairo Samperio e Kévin Gameiro.
    FC PORTO: Fabiano; Danilo, Diego Reyes, Eliaquim Mangala, Alex Sandro; Steven Defour, Héctor Herrera, Carlos Eduardo; Silvestre Varela, Ricardo Quaresma e Nabil Ghilas. Suplentes: Kadú, Maicon, Ricardo, Josué, Juan Quintero, Kelvin e Licá.
    O FC Porto disputa nesta quinta-feira (20.05) o acesso à sétima meia-final europeia do seu historial, levando a Sevilha uma vantagem tangencial de 1-0, assinada com um golo de Mangala no Dragão. Sem poder contar com Fernando e Jackson Martínez, a equipa de Luís Castro procura o acesso às “meias” da Liga Europa, na cidade em que os dragões se tornaram na única equipa portuguesa a vencer a Taça UEFA (2003), oito anos antes da dourada Liga Europa para o futebol português em 2011, na qual estiveram três equipas portuguesas (FC Porto, Benfica e Sp. Braga) nas semifinais.
    Os dragões perseguem, assim, a primeira conquista europeia pós-Dublin, sabendo que chegar às meias-finais renderá um prémio de um milhão de euros. Após ter eliminado Eintracht Franfkurt e Nápoles, a equipa de Luís Castro defronta o 5.º classificado da Liga espanhola, que venceu duas Taças UEFA desde o virar do século e perfila-se como uma forte ameaça às ambições do FC Porto, que após ter perdido o título de campeão nacional tem na Liga Europa a oportunidade de tornar a temporada 2013/14 numa época de boas memórias, contra muitas expetativas.
    Com Ghilas em foco no ataque, o FC Porto terá caminho facilitado para chegar às “meias” caso faça um golo em Sevilha, pois neste caso a equipa espanhola teria que marcar, pelo menos, três para se apurar. Imitar o Estoril, de Marco Silva, que na corrente temporada empatou 1-1 no Sánchez Pizjuán, garantiria o apuramento, no dia em que Varela se torna no quarto elemento do plantel portista, o primeiro desde Helton, Fernando e Quaresma, a fazer 50 jogos nas competições europeias. Em Sevilha estarão 1500 portistas, à espera de regressar a Portugal com uma meia-final na bagagem.

     





  5. O médio da Juventus até começou por elogiar o adversário nas meias-finais da Liga Europa, mas acabou por deixar uma pequena provocação ao clube da Luz. Llorente também dá o Benfica por derrotado.
    É considerado um “senhor” do futebol italiano, mas a antevisão de Andrea Pirlo às meias-finais da Liga Europa promete não deixar os adeptos do Benfica indiferentes.
    O médio da Juventus, citado pela Gazzeta dello Sport, deixou uma pequena provocação ao clube da Luz. “Cada uma das equipas que ficaram na Liga Europa têm valor, são todos adversários temíveis. O Benfica foi bom ao chegar até aqui, está a fazer uma ótima temporada e é tecnicamente dotado. Lamento por eles…”, sorriu, dando a entender que, apesar de ter valor, o Benfica não chegará à final de Turim.
    Pirlo, aos 34 anos, é o “maestro” do meio-campo da Juventus e vai visitar o Estádio da Luz a 24 de abril, seguindo-se a receção ao Benfica no dia 1 de maio.
    Em Turim, respira-se confiança. Llorente, ponta-de-lança espanhol da Juventus, reagiu assim ao sorteio no Twitter: “Acabei de ver o sorteio. Eu gostaria de jogar em Espanha, mas vamos jogar a final contra uma equipa espanhola! Força Juve!”

     





  6. O jornal holandês “De Telegraaf” desafiou Cruyff a projectar o jogo Chelsea-PSG, da Liga dos Campeões, e o antigo craque voltou a lançar duras críticas ao técnico dos londrinos, o português José Mourinho.

    Segundo o holandês, será “um grande jogo entre duas equipas com excelentes jogadores mas Mourinho não parece estar de acordo com isso”.

    Cruyff considera que o treinador dos “blues” assume a responsabilidade de todos os sucessos mas não faz o mesmo quando as coisas correm menos bem.

    E por isso, Mourinho “vai perder o apoio do balneário do Chelsea, tal como aconteceu no Real Madrid. Preocupa-se apenas com os resultados, esquecendo os jogadores”, refere Cruyff nesta entrevista.

     




  7.  




  8.  




  9. maptitude1:

    This infographic shows statistics on professional soccer/football in the United States.

    (Source: travelwithatwist, via mapsandshhtuff)

     




  10.  



Flag Counter